18 de agosto de 2011

E os vagalumes... #17

Olá,

A minha semana está sendo bem tumultuada, então não tive muito tempo para pensar em um texto para hoje. Para não deixar vocês sem nada, vou postar um textinho meu.

É bem antigo, escrevi ele no meio do ano passado.


Claustrofobia arejada
Se alguém fica claustrofóbico dentro de um elevador, é compreensível, afinal é um espaço pequeno sem grandes saídas de ar. Mas o que fazer quando alguém tem claustrofobia em um lugar arejado? Parece impossível, é impossível. Mas se pensarmos que todos os espaços ao redor dessa pessoa estejam cheios com seus pensamentos, que são muitos para permanecer apenas dentro do cérebro.  E se todos esses pensamentos estivessem disputando um lugar mais perto dela, para serem pensamentos com mais regularidade, eles estariam fazendo uma pressão enorme ao seu redor. Então, se colocarmos os fatos desse jeito, é possível alguém ficar claustrofóbico em um lugar arejado, porque seus pensamentos ocupam cada espaço ali.
Comentário:
Bom, eu não me sinto assim mais. Mas na época que eu escrevi esse texto eu me sentia. Eu estava constantemente me sentindo mal comigo mesma, porque metade da minha mente dizia uma coisa e a outra outra. E eu ficava tentando descobrir o que fazer. Também tinha vezes que eu queria falar algo para alguém, mas eu travava. E esses pensamentos ficavam me perturbando constamente.
Foi curtinho gente, me desculpem. Mas eu realmente não tive tempo de preparar algo melhor. O que acharam?
Gabi

4 comentários:

  1. Oi Gabi. Eu entendo perfeitamente que você quer dizer. Ultimamente também não estou assim, mas eu faço tanta coisa ao mesmo tempo, estudo tanto, leio tanto, que às vezes me sinto sufocada por meus próprios pensamentos. E o pior: queremos fugir, correr, mas não tem para onde.

    E não sei se falei mas estou seguindo aqui. Se puder retribuir...

    Beijos
    Conjunto da Obra

    ResponderExcluir
  2. Oi Gabi! Deu pra entender muito bem o sentido do texto. Não sei se você fez por querer, mas reafirmando várias vezes a mesma coisa, você acabou passando a ideia central (de estarmos com a mente sempre cheia) subliminarmente, eu adorei o texto!!!
    Ainda bem que você não se sente mais assim, hehehe...

    Beijos
    Adriana - Mundo da Leitura

    ResponderExcluir
  3. Julia: Exatamente, mas não se preocupe. Isso passa, logo você vai conseguir viver em paz com isso. Pelo menos foi o que aconteceu comigo, hoje não me sinto mais assim.

    Adriana: Eu também não sei se faço por querer, eu sempre escrevo rápido, muito rápido. Pego e vou digitando ou escrevendo e quando eu vejo eu tenho um texto pronto. Dai depois eu arrumo umas coisinhas e dou uma editada. Que bom que gostou!! Significa muito ouvir isso.

    Gabi

    ResponderExcluir
  4. Hahahahaha! Adorei o texto! Achei super fofo, nunca tinha parado para pensar nos fatos dessa perspectiva, nossa adorei, super fofo. É isso mesmo hahaha! Adorei, adorei. xoxo gabi!

    ResponderExcluir