15 de agosto de 2011

Estive pensando... #2

Eu realmente não imaginava fazer outra coluna com essa tag tão rápido, mas eu li algo e realmente achei que eu precisava escrever sobre isso.

Eu acordo no domingo de manhã, abro o twitter e vejo as mensagens da chateada Paula Pimenta. E depois de ler, eu realmente, fico triste com tudo aquilo. Se vocês não sabem do que eu estou falando, a história é a seguinte. Alguma fã da Paula Pimenta, começou a digitalizar os livros da série Fazendo meu Filme, e disponibilizando eles em uma comunidade do Orkut.  
E então vemos um texto muito pessoal e sentimental da Paula dizendo o porquê isso incomoda tanto ela. Ela precisa que a editora confie que ela é capaz de trazer lucros com a venda dos seus livros, e isso não será possível se todos começarem a baixar eles na internet. Paula também diz que escrever não é fácil. E como eu sei disso, para encontrar aquela palavra que encaixa melhor na frase é uma novela, para fazer com que se torne mágico e perfeito como os livros dela, então, nem imagino como deve ser. O que é importante aqui, é que ela não passou dias e dias e dias escrevendo a história, trabalhando nela para ver tudo sendo disponibilizado na internet.
Coincidentemente, no sábado a noite eu comentava com o meu pai isso. Ambos tínhamos lido uma crônica que dizia que os livros no papel estavam com os dias contados. E isso me entristece muito. Afinal, como eu teria uma coleção de livros, sem os livros? Acho que foi na sétima série, lemos um texto dizendo que a única coisa que sobraria dos livros seria a lombada, para enfeitar as estantes.
Eu, na hora achei aquilo totalmente nada a ver. Quem compraria apenas a lombada de um livro? Bom, eis que a Gabriele aqui entra em uma loja – não me lembro nem onde – e vejo livros lindos do Shakespeare. Lindos mesmo, e quando eu vou tentar abrir, ops, não abrem. Era apenas a lombada do livro. Será que estamos realmente perdendo os livros? Estamos perdendo para a tecnologia?
Outro ponto, comprar e-books é uma coisa, você compra. Mas baixar da internet é outra, o autor que passou meses trabalhando no livro, e a editora, não ganha absolutamente nada. É o mesmo com os CDs, creio que sou a única que ainda os compra certo? Eu não acho correto baixar tudo da internet, o cantor/cantora que trabalhou naquilo por um longo período de tempo, não ganhará nada.
É uma polêmica, pela qual eu poderia ficar um tempão aqui comentando. Eu fiquei muito triste pela Paula, porque como ela mesma disse, escritoras como Meg Cabot e Stephenie Mayer, já são sucessos garantidos no mundo todo. Mas e os autores brasileiros? Aqueles que precisam dar muito duro para conseguir uma chance em uma editora, e são aqueles que são julgados pelos leitores, porque são autores brasileiros.
Eu vou ficando por aqui, mas quero saber o que vocês pensam sobre tudo isso ok? O que vocês acham, os livros realmente tem seus dias contados?
Gabi
Obs. Se vocês quiserem ler o Desabafo da Paula Pimenta, cliquem aqui.

6 comentários:

  1. Muito bom o seu texto, assim como voCê disse não é legal mesmo baixar livros de autores nacionais, pois eles dão praticamente tudo deles para conseguir publicar um livro. Eu adoro a Paula, e os livros da série FMF e por isso apoio totalmente a causa! õ/

    Beijão
    Will
    www.viciodecultura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Gabi! Também vi o texto da Paula e fiquei muito triste por ela. Acho muito legal você abordar estas questões aqui no blog, é um espaço interessante para discutir assuntos polêmicos! Bom, eu não acho certo baixar livros na internet, porém as vezes vou confessar que recorro a isso se o livro que eu quero não foi lançado por aqui e existe uma tradução disponível. Se eu conseguisse ler em inglês, a história seria outra, eu poderia comprar o pocket e o autor receberia o que lhe é devido. Essa é uma questão difícil, porque acho que o que leva as pessoas a digitalizarem os livro é o preço alto cobrado por eles no país. Se fossem mais baratos, acredito que mais pessoas comprassem nas livrarias. Como a Paula é uma escritora cheia de talento, mas é de um país sem tanto incentivo aos escritores, é ainda pior que pirateiem suas obras. Ela sofre muito mais com isso. Por este motivo, é sempre bom fazer um apelo ao bom senso e salientar que é muuuuito mais vantajoso ter um livro LINDO como FMF na sua coleção, para poder ler e reler onde e quando você quiser!!!

    Beijos
    Adriana - Mundo da Leitura

    ResponderExcluir
  3. Adriana: Eu também concordo se os livros fossem mais baratos mais pessoas comprariam. É um assunto que eu recorro bastante por ai, por que é tão caro? Eu, como consigo ler em inglês, como livros que por serem importados, seriam mais caros. Pela metade do preço do brasileiro. Chega a ser sem noção pagar 30 reais por um livro quando em outros lugares eles pagam menos de 10 dólares.

    Gabi

    ResponderExcluir
  4. é verdade Gabi, é mesmo uma questão super complicada! Por um lado, autores nacionais são super prejudicados por digitalizações, por outro, tem muita gente que, se não usar estes recursos, não vai poder ler alguns livros por não poder comprá-los, então é um dilema. Eu fico entre a cruz e a machadinha pra falar sobre esse assunto... Só sei que, se pudesse ler em inglês, estaria ferrada, porque minhas compras internacionais no cartão de crédito iam ir as alturas, aushauhsauhsaus!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Achei muito interessante você ter escrito sobre isso. Eu também sigo a Paula no twitter e vi como ela ficou chateada, também li seu desabafo.
    E como muitas aqui também acho que o preço dos livros no Brasil são um absurdo, mas acho que nada justifica a pirataria. Não só de livros, como de DVDs ou de CDs, fico com muita raiva quando as pessoas justificam o crime que estão cometendo (porque sim, pirataria é crime, tanto vender,disponibilizar na internet, como comprar). Pensem bem, vocês se sentem injustiçados por conta dos preços, certo?? Mas e o pessoal que trabalha com isso?? E os escritores, atores, músicos. E eles??
    Só mostra o quão egoístas as pessoas são, quer dizer que porque você se sente injustiçado então que se dane os outros??
    Vale lembrar que em outros casos como filmes, não tem só a ver com os ricos produtores e diretores conhecidos. E as pequenas locadoras que faliram?? E os milhares de empregos perdidos??
    Na minha opinião, se você se sente injustiçado, procure pensar nos outros que estão sendo ainda mais, como nesse caso a Paula.
    Bom, esse é o desabafo de quem ama livros e filmes e não suporta pirataria...

    ResponderExcluir
  6. Bem vou dar um outro ponto a polemica dos livros. Eu nao moro no Brasil, POREM gusto de alguns autores. Outros eu somente quero conhecer, pois os livros sao super bem recomendados. Dai comecam os meus problemas. As lojas assaltam qdo vao cobrar o frete para envoi das compras. Dai vc compra um Ipad ou qualquer outra coisa do genero, vai COMPRAR e qual eh a surpresa? Eles nao nos vendem, pois alegam que por nao morarmos no Brasil estariamos infringindo a lei de direitos autorais ou cosa parecida. Dai eu tenho q comprar o livro fisico mandar entregar no Brasil e qdo alguem vem me visitar vem com mala lotada, ok adoro os meu livros na estante e tal, ate faco doacoes para a biblioteca do bairro de alguns livros que nem gusto muito e acho legal aumentar o acervo de livros em portugues.
    Mas vamos combiner que ainda se tem muita coisa a fazer a respeito.

    ResponderExcluir