10 de março de 2012

E os vagalumes #32

Normalmente não posto colunas no sábado, mas eu não recebi nada essa semana e não queria deixar sem post. 

Faz um tempo que essa coluna não aparece por aqui, mas irei voltar a fazê-la com mais frequência. 

Para quem não conhece, E os Vagalumes é uma coluna onde eu posto um texto/frase de um autor e comento ou as vezes eu posto um texto meu.
Espero que gostem!


Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro. – Clarice Lispector

Essa é uma frase que eu gosto muito. A leitura que eu faço é que os defeitos que temos, fazem parte da nossa personalidade. Fazem parte de quem somos e nos compõe como pessoas. E nem sempre o que achamos que é um defeito, é realmente um defeito. Outros podem considerar uma qualidade. Tudo depende do ponto de vista.
Se eliminarmos um suposto defeito, podemos ruir de vez porque quem disse que ele não é o que constrói nossa personalidade, e sendo assim, nos constrói? Esse defeito pode ser o alicerce para todo o resto.
Estamos constantemente insatisfeitos com diversas características. Seja física ou psicológica. Quando na verdade, são esses detalhes que constroem o que e quem realmente somos.
Sempre considerei minha timidez como um defeito, muitas vezes já me incomodou a ponto de querer ser totalmente diferente. Contudo depois, eu paro e penso que se eu não fosse assim, eu não seria na verdade eu. Porque a timidez é uma característica muito forte da minha personalidade.
Querer lutar contra traços de personalidade, é começar uma guerra interna contra sua própria identidade.
Ter um defeito pode ser o ponto de partida para infinitas qualidades. E eliminando um, estará eliminando tudo que é ligado a ele. Tanto defeitos quanto as qualidades, pois um pode estar ligado com o outro.

---


5 comentários:

  1. Oi Gabi

    Concordo com a sua análise, mesmo sendo muito difícil aceitar os defeitos, eles são uma parte de nós, muda-los seria como se transformar em outra pessoa e sabe-se lá se iriamos gostar dessa pessoa, se realmente ela seria melhor.

    :)

    ResponderExcluir
  2. Oi Gabi! Concordo, apesar de achar que há sim defeitos que são, de fato, defeitos. Ser mal-humorado, por exemplo, faz parte da personalidade de muita gente, mas aposto que faria um super bem para a própria pessoa se ela fosse mais bem-humorada, sabe? Parar de fazer cara feia para todo mundo, por exemplo. Tem vezes que eu gostaria de trocar alguns aspectos da minha personalidade, porque acredito que isso faria bem para mim e para os outros. O mundo está em constante mudança, logo, acredito que também devemos estar - mantendo a essência, que acho que é um tantinho imutável!

    ResponderExcluir
  3. Profundo. Concordo com a sua opinião, Gabi! Muito bem estruturada, aliás.
    Todas frases da Clarice Lispector tem esse ar que deixa um... não sei a palavra... Reflexão, talvez?
    Enfim, adorei!
    Bjão, Gabi!

    ResponderExcluir
  4. C.L é a rainha do introspecção....algumas das suas obras chegam a ser mt depressivas aos meus olhos. Mas a escolha dessa frase, Gabi, foi mt oportuna para o momento que estou vivenciando, e gostei do seu discurso acerca dela.

    Grande beijo!

    ResponderExcluir
  5. Oi Gabi, já comentei aqui que eu ADORO essa coluna (tanto dela quanto a Entre parêntesis). E sabe eu concordo com você, houve uma época da minha vida em que eu era bem tímida, mas nunca considerei isso um defeito já que entre os meus amigos eu sempre fui bem 'doidinha', agora, isso sim, eu considerava um defeito, tanto que durante um longo tempo eu tentei de verdade parar de ser barulhenta, ou gritar quando encontro uma pessoa querida (mas eu não consegui, pois é...). Desde criança que eu sempre fui muito animada, e meiga ao mesmo tempo, tanto que muitas vezes fui tachada de patricinha (nada a ver ¬¬) e apenas por me tacharem por um longo tempo eu quis mudar, até que um dia um amigo meu chegou pra mim e disse que não ia adiantar nada eu tentar 'me mudar' porque 1° ele e os meus amigos verdadeiros gostam de mim exatamente do jeito que eu sou, e 2°se eu mudasse eu estaria deixando de ser quem eu sou. A conclusão que tirei foi: Não adianta tentar mudar, principalmente se for para agradar os outros, seus amigos de verdade vão gostar de você pelo que você é, e com todos os defeitos que você tem, porque eles são capazes de enxergar seus 'defeitos' como qualidades, as outras pessoas que não nos aceitam, nós podemos simplesmente ignorar.

    ResponderExcluir