5 de novembro de 2012

Resenha: Never let me go - Kazuo Ishiguro


É raro, mas tem algo no filme baseado nesse livro que eu gostei mais. Eu assisti ao filme uns meses atrás e a história realmente me marcou, me deixou pensando e quando eu vi o livro na biblioteca, nem pensei duas vezes. Eu precisava ler.
A história é narrada por Kathy, já adulta relembrando memórias desde que era criança e estudava em Hailsham. Hailsham que não era qualquer escola, e seus alunos não são pessoas normais. Eles são clones, sua origem, sua criação tem um propósito: eles crescem e se tornam doadores de órgãos.
O livro se foca nos acontecimentos de como eles foram descobrindo isso, como foram descobrindo quem eram e o que seus futuros reservavam. Kathy, sua amiga Ruth e Tommy são os três principais personagens do livro.
A premissa desse livro me intriga demais, mesmo assistindo o filme, lendo o livro, eu ainda não estou satisfeita. Quero ver de novo, ler de novo, quantas vezes eu sentir que é necessário para eu conseguir parar de pensar compulsivamente nesse assunto.
É um livro pesado, não é uma história leve e bonitinha. Mas eu adoro. Algo que eu prefiro no filme, é que quem assiste fica no suspense de “o que está acontecendo?” por um bom tempo, até que tudo é revelando. No livro, isso já é dito no inicio. O que faz sentido quando se lê, porque Kathy não conseguiria narrar sem comentar desde o inicio, mas enfim.
Eu adoro os personagens, adoro o relacionamento entre eles e gostei muito da maneira como o livro é narrado.
Eu recomendo a leitura, recomendo o filme e recomendo que conheçam essa história que tanto me intriga.

6 comentários:

  1. Que interessante me pareceu ser esse livro. Tem um filme que eu gostei bastante que se cham A Ilha. Ele também fala sobre clones que doam órgãos. É bem interessante esse assunto, eu gosto pelo menos.

    Beijos!
    http://bagaco-de-laranja.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Gabi

    Eu amei o filme, o livro eu tenho mas ainda não li, fico pensando que vai ser difícil gostar tanto, o que soa meio absurdo.

    ResponderExcluir
  3. Cara, você acredita que não percebi que eles eram clones no filme?
    Enfim, achei o filme muito reflexivo, sentimental, fofinho e maravilhoso. Aquele tipo sessão de choro, sabe? Pretendo ler o livro (um dia, quando acha-lo por um preço decente. Ando mão de vaca.).
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Não vi o filme, mas gostei bastante do livro. Li em português.. rs

    ResponderExcluir
  5. Eu comecei a ver o filme, Gabi, mas parei porque descobri que tem o livro e não queria estragar, pois fiquei MUITO interessado no livro. Já foi publicado no Brasil, mas vai ficar raro uma hora e enquanto não é, está caríssimo, hahahha
    Eu vi essa mesma edição na Cultura *-*
    Beijão!

    ResponderExcluir
  6. Nossa, eu também fiquei pensando muito no assunto depois que assisti o filme. Já sabia que foi baseado em um livro, mas infelizmente ainda não li, mas agora fiquei morrendo de vontade! heheh
    O assunto é muito pesado, mas também gosto dele, estranho né?

    ResponderExcluir