29 de janeiro de 2013

Filme: The Diary of Anne Frank (BBC - 2009)


Estava caminhando por uma loja de cd’s e dvd’s um dia desses e como a rede de lojas vai fechar, as promoções estão incríveis. Acabei batendo o olho em uma minissérie da BBC sobre O Diário de Anne Frank. E como faz tempo que eu não escrevo sobre adaptações...
A minissérie é composta por cinco episódios de trinta minutos. E é muito bem feita. Tanto como a caracterização e escolha dos atores, que lembram muito as pessoas reais, quanto ao Annexo e em geral, a adaptação foi simplesmente muito bem feita e fiel.
Eu fiquei bastante intrigada na história desde que terminei minha leitura, e a série sendo tão bem feita, ajuda a relembrar alguns pontos e visualizar outros. Ellie Kendrick como Anne Frank ficou simplesmente perfeita, ela retrata a personagem exatamente como eu visualizei, tanto em visual quanto em personalidade. Com seus comentários irônicos e toda a atitude.
Todos os outros atores também, incorporaram tão bem seus papéis que eu senti como se fosse de verdade. As personalidades, o modo de agir, é assustadoramente iguais a quando eu imaginei na minha mente enquanto lia o livro. E isso fez dessa adaptação algo surpreendentemente positivo para mim. Já que eu normalmente não costumo gostar de adaptações de livros que eu gosto muito.
Como os episódios são curtos, pode-se assistir seguidos como se fosse um filme. E algo que eu realmente gostei é que eles não são cansativos, enquanto você vê, nem percebe o tempo passar. E eles conseguem mostrar todos os pontos relevantes do diário de Anne Frank de uma maneira sucinta, clara e real.
Foi exibida em janeiro de 2009 e pode ser encontrada na internet ou em DVD hoje em dia. Eu recomendo bastante, para quem leu ou não o livro.

25 de janeiro de 2013

Resenha: Second Chance Summer - Morgan Matson


A minha ideia original, era ler um livro leve e fofo depois de uma leitura bem pesada. Escolhi Second Chance Summer, um livro que se mostrou tudo menos uma leitura leve.
A família Edwards não é a mais unida, nem a mais comunicativa. Uma noticia inesperada relacionada a saúde do pai de Taylor, faz com que toda a família resolva passar as férias na antiga casa do Lago Phoenix, lugar que eles não visitavam fazia cinco anos.
Taylor não fica nem um pouco animada em voltar, principalmente levando em conta as pontas soltas que ela deixou ao partir cinco anos antes.
Eu achei que Second Chance Summer seria uma história sobre um romance fofo de verão. De fato, tem um romance fofo de verão, mas o livro é muito mais que isso. O livro fala sobre família, amizade e segundas chances.
É lindo, é triste e é um livro extremamente bem escrito. Eu chorei bastante, mas é aquele tipo de leitura que faz bem. Que me fez pensar em coisas que eu não gosto, mas às vezes é preciso. Fala como às vezes precisamos ser abertos a segundas chances, e que todos cometem erros. Todos fogem de coisas que não querem enfrentar e todos tem medo.
Taylor é uma personagem cheia de camadas, que tem medo de se apegar as pessoas e foge das situações que a assustam. E durante o verão, ela se vê obrigada a enfrentar tudo. Henry é fofo e Lucy é aquela amiga que todo mundo tem. Eu acho que já comentei por aqui, mas eu simplesmente adoro histórias que se passam nas férias de verão. Tem um clima muito especial.
Morgan Matson me conquistou ainda mais com Second Chance Summer do que com Amy and Roger’s Epic Detour. Eu gostei muito mais desse livro, da história e da maneira como a autora desenvolveu. E da maneira como ela proporciona o leitor a realmente, se emocionar com a história.

22 de janeiro de 2013

Resenha: O Diário de Anne Frank


As resenhas mais difíceis de escrever são as de livros que me deixam sem fala. Livros que me marcam de maneira que eu não sei explicar. A resenha de hoje é do Diário de Anne Frank.
A história todos já devem conhecer, em Amsterdam, 1942, no auge do holocausto, Otto Frank decide que a família irá se esconder. Anne, sua mãe, pai, irmã mais a família Van Pels passam a viver no chamado Secret Annexe.
Anne Frank ganhou o diário no seu aniversário de 13 anos, em junho de 1942. Ela passa a escrever sobre seus dias nele, sempre chamando o diário de Kitty, e quando ela passa a se esconder, ela encontra no diário uma maneira de desabafar.
O Diário de Anne Frank é um livro pesado. É um livro que me fez pensar, eu chorei, eu fiquei com uma dor no coração, mas também, é um livro que eu acho que tem que ser lido. Ela era uma menina de treze/quatorze anos como qualquer outra. É visível pelo que ela escrevia, que ela estava entrando na fase “adolescente”, passando por mudanças, questionando o mundo e querendo ser livre. E essas são as partes que mais doem, quando ela simplesmente diz que quer sair na rua e caminhar livremente.
Ela se apaixona, ela briga com os pais, ela gosta de ler e é uma menina normal. Que vive no meio de um dos momentos mais cruéis da história. Ela narra os acontecimentos da guerra com uma clareza impressionante, dizendo como ela se sente privilegiada de estar ali. Viva.
É um livro difícil de ler. Algumas partes são lentas, algumas muito intensas e pesadas. Mas eu gostei de ter lido. Principalmente depois de ter ido visitar a casa em Amsterdam. Eu tive uma sensação de como seria ter ficado naquele pequeno espaço por tanto tempo. Cuidando para não fazer barulho e levantar suspeitas.
Mesmo não tendo a mínima noção de como realmente era a vida, como era não saber se iria viver para o outro dia, com medo de qualquer barulho que apareça na casa, o livro passa um pouco da sensação. E isso que eu achei mais brilhante.
Eu acredito que é preciso certa maturidade para ler o livro, e não são todos que irão gostar, mas eu acho que vale a pena. É com certeza um livro que eu não vou esquecer. Que mexeu comigo de uma maneira que poucos livros conseguem.

19 de janeiro de 2013

Aventuras e desventuras em dias de neve


Acho que para quem não mora em um lugar onde neva frequentemente, ver a previsão do tempo e ler que vai nevar, é incrível. Aqui em Chichester, raramente neva, mas eu tive sorte de pegar dois dias branquinhos.
O primeiro dia foi tranquilo. Pouca neve, não acumulou no chão e depois de algumas horas não tinha mais nada para contar história. Mas alguns dias depois, nevou de verdade.
Aprendi que o povo daqui, não lida bem com a neve. Eles simplesmente entram em pânico e não sabem o que fazer. O colégio disse que era para entrarmos no site, onde teria um aviso caso as aulas fossem canceladas. Eu entrei, não tinha nada, fui para a escola. Cheguei à escola e? Aulas canceladas.
Boatos rolavam que iriam cancelar os ônibus, mas eu decidi que iria pegar um táxi. Porque queria aproveitar a neve. Eu, minha amiga Bruna e minhas amigas holandesas construímos um boneco de neve gigante!! (experiência holandesa ajudou bastante). Foi incrível e muito divertido.
Quando chegou o momento de pegar o táxi e voltar para casa recebo a linda noticia que os táxis não estavam indo para Selsey devido à neve. Comecei a ficar nervosa porque não queria ficar presa em Chichester. O desespero chegou e depois de muito sufoco, encontrei uma companhia de táxi para voltar.
Minha host mom disse, que neva forte assim uma ou duas vezes por ano no máximo, e quando acontece, a região toda para. E realmente, para. Ônibus, trens, táxis, voos, é um pesadelo.
Mas apesar de tudo (a sensação de não conseguir voltar para casa e ficar presa em uma cidade é horrível, confiem em mim) eu amo a neve. Amo afundar o pé enquanto caminho, amo quando bate no meu rosto, amo guerra de neve e bonecos de neve. Amo olhar pela janela e ver tudo branco. Eu amo neve, apesar de todas as desventuras que ela me trouxe.
E eu termino o post com um desejo: quero neve, pelo menos uma vez por ano, no Brasil.

16 de janeiro de 2013

Resenha: The Future of Us - Jay Asher e Carolyn Mackler


O ano é 1996, menos da metade dos estudantes americanos já tiveram a oportunidade de usar a novidade do momento: internet. Emma ganha um computador do seu pai e a família do seu vizinho e melhor amigo Josh, ganham de graça um CD de AOL. Seus pais pedem que ele dê o CD para Emma poder instalar no seu computador.
Quando eles criam suas contas de e-mail, algo estranho acontece e eles são direcionados a uma página estranha e desconhecida, chamada Facebook. Onde eles podem ver seus perfis em quinze anos no futuro.
Acho que o futuro é algo que todos pensamos bastante, o que vai acontecer, o que vamos fazer e tudo mais. The Future of us é um livro muito bom. É um “page-turner” com certeza, porque eu não conseguia soltar.  Como sempre faço quando compro livros novos, eu dou uma olhadinha nas primeiras páginas, fiz isso com The Future of Us e depois não consegui mais parar de ler até terminar.
Emma e Josh eram grandes amigos, eles acabaram se afastando um pouco, mas o Facebook os une novamente, eles acabam ficam viciados em descobrir o que irá acontecer nas suas vidas. Acho que a mensagem principal desse livro, é que não podemos nos preocupar muito com o futuro. Não devemos viver o presente pensando no que vai acontecer, e precisamos deixar a vida andar no seu ritmo.
A narrativa do livro altera entre Josh e Emma e os dois são engraçados e personagens legais. Emma sofre devido a separação dos seus pais, ela não acredita em amor de verdade e muitas das suas ações, que possam parecer ruins, são justificadas por isso.
Eu gostei de como eles veem o Facebook, não entendendo porque as pessoas precisam dizer o que estão fazendo e porque precisam colocar tudo na internet para os outros verem. A premissa do livro é muito legal e a história foi muito bem desenvolvida pelos autores.
O único livro que eu tinha lido do Jay Asher foi Os treze porquês, que é um livro bem pesado e bem forte. Ele provou ser um autor versátil com The Future of Us.
The Future of Us, tem muito material para refletir e para discussões. Por cima, pode parecer um livrinho normal, mas se prestarmos bastante atenção em tudo que acontece, é muito mais que isso.

13 de janeiro de 2013

Da livraria para a minha estante #46

Oi,


Vocês pediram mais vídeos, então eu vou tentar fazer. Meu plano é fazer o "Da livraria para a minha estante" uma vez por mês, e um vídeo no final do mês mostrando o que eu li. Acho que por enquanto, é o que eu vou conseguir gravar. Esses foram os livros que eu comprei/ganhei nesses últimos tempos, espero que gostem.

E desculpem a edição do vídeo, mas se eu não cortasse algumas partes iria ficar muito longo.



Gabi

10 de janeiro de 2013

Top 10 Tuesday: Livros que quebraram meu coração

Top 10 Tuesday dessa semana era tema livre, então eu escolhi um dos temas antigos. Eu ia postar vídeo hoje, mas não estou conseguindo passar para o youtube (paciência, por favor, vou postar em breve).
Top 10 livros que quebraram seu coração um pouquinho
A lista contém apenas oito.
A Culpa é das estrelas – John Green
Meu querido coração ainda não se recuperou. Eu já reli várias vezes o livro e choro compulsivamente em todas. Não é um choro normal, é um choro de verdade. Com soluços de tudo. Enfim, eu já falei bastante sobre esse livro por aqui. (leiam!!!)
A Esperança – Suzanne Collins
Precisei de uns dois dias para me recuperar depois desse livro. É incrível, é chocante e é cruel. A autora conseguiu mexer comigo.
Looking for Alaska – John Green
A arte de ler algo, não acreditar, fechar o livro, ler de novo com a esperança que você tenha lido errado. Isso aconteceu comigo durante esse livro. Não sei como o John Green pode fazer isso com os leitores.

7 de janeiro de 2013

Resenha: Callum & Harper - Fisher Amelie


Callum e Harper são orfãos, e acabam se encontrando em uma situação nada legal para nenhum dos dois. Eles foram expulsos de suas casas adotivas porque atingiram a maior idade e as famílias parariam de receber para cuidar deles.
Eles se conhecem na fila da Assistência Social, onde estão esperando um lugar para ficar. Instantaneamente, eles notam a presença um do outro e sentem algo diferente.
A partir dessa noite, tudo irá mudar na vida deles. Eles não conseguem um lugar para ficar por meio da Assistência Social e tudo que resta para os dois é que o plano B funcione.
Esse livro é daqueles que começa de um jeito e tem uma reviravolta no meio que muda todo o rumo e sentido da história. Eu gostei muito, mas muito do livro até que tudo começou a sair dos trilhos da proposta inicial.
Os personagens são legais, e a autora narra de uma maneira que mesmo que eu não estava mais gostado do que estava acontecendo, eu simplesmente não conseguia parar. Eu não conseguia soltar o livro porque eu precisava desesperadamente saber como iria terminar.
Eu não me arrependo de ter lido o livro, é daquelas leituras viciantes e eu gosto quando o autor consegue chegar nesse ponto. Quer dizer que algo certo, o autor fez.
Algumas partes eu senti que ficaram forçadas demais e para mim, se o livro tivesse se mantido apenas com os acontecimentos do inicio e desenvolvido um pouquinho mais naquele rumo, eu iria gostar bem mais.

4 de janeiro de 2013

Resenha: Depois dos quinze - Bruna Vieira

Eu gosto de crônicas. Gosto de escrever e ler crônicas. Eu já tinha ouvido falar da Bruna Vieira e do blog dela, o Depois dos Quinze. Nunca tinha lido de fato o blog, achava que era apenas de moda e não sabia que ela publicava crônicas lá também.
Comecei a ler o livro sem muitas expectativas, sem saber ao certo o que esperar e o que eu iria ler.
Como todo livro de crônicas, tem crônicas que eu amei, crônicas boas e outras que não gostei tanto. Mas de uma coisa eu tenho certeza, é impossível não se enxergar em nenhuma delas.
Enquanto eu lia, algumas frases pulavam da página e me atingiam, de tão verdades que são. De tanto que eu consigo relacionar com a minha vida.
A minha favorita se chama “Meu primeiro mês em São Paulo” que fala sobre morar fora de casa. Atualmente, estando no intercâmbio, essa crônica serve como uma luva para minha situação do momento.
Muitas crônicas sobre amores e desamores, inícios e fins de relacionamentos, amizades, dúvidas sobre a vida, crescer e tudo que começamos a viver depois dos quinze.
Eu adorei ler esse livro. É uma leitura tranquila, leve e como são crônicas, você pode ir lendo aos poucos. Eu com certeza irei acompanhar o trabalho da autora!

1 de janeiro de 2013

Livros e Vagalumes em 2013


2013 chegou e vai ser um ano bem diferente. Ano de vestibular, último ano de Ensino Médio e um ano cheio de mudanças e estudos. Por isso, o blog vai funcionar de uma maneira um pouco diferente.
Não quero que fique completamente desatualizado, mas com certeza, meu ritmo de leitura vai diminuir bastante. Então, vou postar no máximo três vezes por semana.
Quero muito completar o Charlie’s Booklist Challenge, então minhas primeiras leituras de cada mês serão os livros do desafio. Estou planejando ler quatro/cinco livros por mês.
Vou planejar no inicio do mês quais serão minhas leituras, assim eu também me controlo quando entrar nas livrarias.
Acho que vai ficar legal desse jeito, não sei se vai funcionar como eu planejo, mas vou fazer de tudo para que funcione. E diminuindo a quantidade de livros, eu consigo me focar bastante nos estudos!
Quero melhorar o blog cada vez mais, e me ajudaria muito saber a opinião de vocês através desse formulário.
Desejo a todos vocês um 2013 incrível, cheio de momentos maravilhosos. Muito obrigada por me acompanhar literariamente durante o 2012, o blog foi uma grande e ótima parte do meu ano.
Gabi