28 de maio de 2013

Resenha: Jogador Nº1 - Ernest Cline


Versão em português: Editora LeYa
Quando eu peguei esse livro para ler, fiquei com medo do seguinte: como alguém que nunca jogou videogame, que não faz a menor ideia de como se joga, vai gostar de um livro que fala sobre isso?
Depois de ler as primeiras vinte páginas eu respondi a minha pergunta: você vai gostar porque o livro é incrível. Simples assim.
O ano é 2044 e a realidade das pessoas passou a ser uma realidade virtual. Denominada OASIS, lá, você pode ser quem quiser e ter a aparência que quiser. Pode-se assim fugir da realidade que o mundo se encontra, com uma imensa pobreza e diversos problemas. Quando a oportunidade de viver em um mundo novo, sendo quem você quiser, não há muitos que resistem.
Quando o criador do OASIS e de outros diversos videogames, Halliday, morre, ele lança um desafio para todos os jogadores. Em um vídeo, ele diz que dentro dos seus jogos diversas pistas e desafios. Quem conseguisse cumprir todos os desafios, ficaria no comando do OASIS e ganharia a sua fortuna.

Passa-se cinco anos e ninguém consegue descobrir nem a primeira pista. E é aí que entra Wade, um menino que passa a maior parte do seu tempo no OASIS, mora em um trailer que está localizado em uma pilha de vários outros trailers e passou os últimos cinco anos estudando e analisando cada mínimo detalhe da vida de Halliday, que pudesse ser útil na sua busca. Mas a verdade, é que ele não é o único que está chegando perto de descobrir.
Eu amei o livro. Amei os personagens e amei poder seguir com eles durante os desafios e os empecilhos que foram aparecendo no meio. Você se enxerga dentro do livro, dentro do OASIS, procurando e desvendando os enigmas junto com os personagens. A maneira como livro se desenvolve, é incrível. É rápido e você não quer mais parar de ler, porque precisa saber como tudo vai acontecer.
Gostei bastante também da ideia do que o OASIS representa uma porta de escape. Que acaba se tornando algo negativo depois de um tempo, já que as pessoas não vivem mais suas vidas reais, e sim suas vidas como avatares de um jogo.
Acho que quem gosta de videogames vá gostar ainda mais do que eu gostei. Contudo, é um livro que eu realmente recomendo para todos. Todos.

6 comentários:

  1. Eu já tinha vontade de ler o livro, mas fiquei com mais vontade ainda. Parece realmente interessante. Gosto da ideia de realidade virtual.

    Beijos,
    Carissa
    www.carissavieira.com

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    Eu sou mais ou menos como você, não sou muito de video game e ficaria com receio de ler, mas pelo que você diz o livro é legal né. Se tiver oportunidade o lerei.

    Beijinhos*
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. QUE BOM QUE VOCÊ AMOU, GABI! Sério, eu fiquei exatamente como você antes de ler "como é que eu vou curtir o livro se eu não faço ideia de como é jogar videogame? Nem gosto disso!", mas........ <3 NDSAKJNEDSKAJNQWKJDNASKJD

    ResponderExcluir
  4. Oi Gabi

    Apesar de eu adorar video game estava com receio de ler pois ouvi falar em muitas referências nerds dentro da história, e não sei tanto sobre isso, até de jogos eu jogo sempre os mesmos então não sei muito do assunto, pensei que podia ficar por fora das associações.
    Agora com a sua resenha mudei de ideia, pelo visto ele supera os rótulos :) e parece realmente ótimo.

    ResponderExcluir
  5. Eu PRECISAVA comprar esse livro. PRECISAVA mesmo. E agora tá na pilha DUAHSDAS Enfim, achei a premsisa bem interessante e pretendo lê-lo em breve. A capa brasileira é bem bonita, mas gostie mais desta!

    ResponderExcluir
  6. Bem, esse livro deve ser realmente incrível. A Ni não para de falar sobre ele, dá RT em pessaos elogiando-o, e até você está fazendo isso agora. Ele tem que entrar na minha lista de leitura, né.

    @mmundodetinta
    maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

    ResponderExcluir