31 de agosto de 2013

5 Livros: Distopias


5 Livros do gênero "Distopia" que eu gosto bastante e recomendo.

                   

Quais são os favoritos de vocês? E alguma sugestão para futuros vídeos desse estilo?

Gabi

27 de agosto de 2013

Resenha: O Oceano no Fim do Caminho - Neil Gaiman

Um livro onde a linha que divide o imaginário do real, acaba desaparecendo. Um livro extremamente nostálgico e bem escrito.
O velório de um familiar, que o leitor não fica sabendo quem é, leva o narrador de volta a sua cidade natal. Após a cerimônia, ele acaba dirigindo sem rumo e chega à sua antiga rua. A casa onde cresceu não mais existe, mas ele segue até o final da rua e chega à casa de Lettie. Uma menina que quarenta anos antes, o convenceu que o lago no jardim da casa, era um oceano.
Lettie não mora mais lá, mas sua mãe o deixa entrar e ele se senta no jardim e as memórias do ano em que conheceu Lettie voltam a sua mente. É quando fica difícil distinguir o imaginário do real.
O autor apaga a linha que separa o real do imaginário e é isso que torna esse livro tão especial. Na mente de uma criança, não existe essa linha. O narrador era uma criança que lia muito, que tinha uma imaginação muito fértil e a maioria das crianças é assim. Tudo é razão para criar uma brincadeira imaginária, mundos imaginários e aventuras imaginárias.
“Livros eram mais confiáveis que pessoas, de qualquer forma”
Quando a pessoa cresce, isso tudo acaba se perdendo. Eu me senti triste lendo o livro e pensando “isso não é verdade, ele esta inventando, não tem como ser real”. Triste porque se a Gabriele de sete anos lesse, ela acreditaria sem nem pensar. Porque tudo pode acontecer na mente de uma criança de sete anos.
“O Oceano no Fim do Caminho” aparenta ser um livro simples, rápido e interessante. Entretanto, é muito mais do que isso. É um livro que faz você sentir falta de conseguir acreditar em tudo sem provas, sem querer maiores explicações. A narrativa do Neil Gaiman é poética e maravilhosa. Os personagens são bem explorados e o final deixa o leitor pensando. Pensando em tudo que aconteceu. Pensando que talvez, tenha acontecido mesmo.

Eu recomendo muito a leitura, eu me surpreendi bastante com o livro. Neil Gaiman consegue escrever de uma maneira tão simples e colocar vários elementos intrínsecos na sua narrativa. É um livro diferente e maravilhoso. Espero conseguir ler outras obras do autor em breve.

23 de agosto de 2013

5 Livros: Jovem Adulto Contemporâneo


Um vídeo um pouco diferente dos outros, onde eu comento sobre cinco livros que eu adoro da categoria "Jovem Adulto Contemporâneo". 

               

Quais são os favoritos de vocês?

20 de agosto de 2013

Resenha: Terras do Sem-Fim - Jorge Amado

Terras do Sem-Fim narra a disputa pelas terras do Sequeiro Grande, terras próprias para o plantio de cacau na região de Ilhéus. A disputa é entre os Badarós e Horácio, ambos com desejo de expandir suas plantações e acumular riquezas.
O livro basicamente tem esse enredo como base. Em cima disso, Jorge Amado constrói e caracteriza a população de Ilhéus, com as corrupções do governo, votações roubadas, mentiras e muitas mortes. A região se divide em pessoas que apoiam os Badarós e aqueles que apoiam Horácio.
Existem também desentendimentos e intrigas amorosas entre diversos personagens.
Esse livro foi com certeza, uma surpresa. Quando comecei a ler, senti a narrativa um pouco arrastada e detalhista demais. Contudo, quanto mais eu lia mais eu gostava. Jorge Amado apresenta os personagens de uma forma maravilhosa e caracteriza cada um de uma maneira impecável.
A forma como ele mostra a sociedade, mostra o que acontecia nos governos e mostra que o controle estava nas mãos daqueles que possuíam terras e dinheiro é maravilhosa. A crueldade e a quase falta de humanismo chamou a minha atenção. Nesse ponto, a narrativa detalhista e muitas vezes repetitiva, apenas tornou o livro mais impactante e real.
“A melhor terra do mundo para o plantio do cacau, aquela terra adubada com sangue”.
Os personagens são muito bem desenvolvidos, os relacionamentos entre eles são importantes para a história e Jorge Amado introduz essas relações lentamente, assim podemos ver como os personagens eram antes de ir para Ilhéus e como acabaram sendo influenciados por tudo que acontece lá.
Não foi uma leitura fácil, mas foi uma leitura extremamente significativa. Recomendo bastante para quem já leu livros do Jorge Amado ou para aqueles que querem começar. “Terras do Sem-Fim” é um livro que faz o leitor pensar, trabalha muito bem com o lado psicológico dos personagens e caracteriza uma sociedade brilhantemente.

17 de agosto de 2013

Resenha: "The Bell Jar" - Sylvia Plath

The Bell Jar (Redoma de Vidro) conta a história de Esther Greenwood, uma menina estudiosa, que ganhou vários prêmios  e acabou sendo convidada para trabalhar em uma revista em Nova Iorque por um verão. Lá, ela é inserida no mundo do glamour, festas e de repente acaba percebendo, que tem algo de errado.
A narrativa da Sylvia Plath é poética, é delicada e maravilhosa. Esther percebe de repente, que tem algo de errado com ela. Vários fatores começam a aparecer, ela não consegue mais comer, escrever, ler, dormir e acaba tentando suicídio.
O leitor é imerso nos pensamentos de Esther e chega um momento, onde o que ela pensa chega a parecer racional. A autora narra tão delicadamente sobre a depressão da personagem, que o leitor só vai perceber na metade do livro como a situação é séria.
Esther é uma personagem psicologicamente interessante. Ela é inteligente, talentosa e com um grande sucesso pela frente, e ainda assim, o mundo dela acaba desabando. A maneira intrínseca como a autora reflete tudo isso, é o que torna “The Bell Jar” um livro magnifico.
O livro não é difícil de ser lido, mas é uma leitura densa e pesada. Não é daquelas narrativas que você senta e lê em algumas horas, é um livro que é preciso ser explorado e analisado. Nada é narrado de forma óbvia. A depressão de Esther é algo que lentamente, é percebível e lentamente, o leitor e até mesmo Esther, começam a perceber que ela não esta bem. 
A história por trás do livro também é interessante: o verão tratado no livro, em que Esther vai parar no hospital, aconteceu com Sylvia Plath. O livro só pode ser publicado nos Estados Unidos após a morte da autora em 1963. Para mim, isso faz do livro ainda mais especial, por se tratar de sentimentos reais.
Eu recomendo muito “The Bell Jar”. É um livro em que a narrativa se sobressai e fala sobre depressão de uma forma diferente. Uma forma poética.

13 de agosto de 2013

Resenha: 1808 - Laurentino Gomes

Eu sempre gostei muito de história e fazia muito tempo que queria ler 1808. Aproveitei que estava estudando esse período da história no Brasil no colégio para ler o livro.
1808 trata do período em que a família real de Portugal vem para o Brasil fugindo das tropas de Napoleão. O livro mostra todas as mudanças que ocorreram naquela época, com informações interessantes e relatos de diversos historiadores.
Gostei bastante da forma como Laurentino Gomes escreveu o livro. Acredito que muitas vezes ler sobre diversos fatos, nomes e datas pode acabar tornando-se algo chato e cansativo, mas o autor soube trabalhar bem com isso, deixando o livro com uma narrativa agradável de ser lida, divergindo ao máximo da maneira com que livros de história didáticos são escritos.
O autor trás informações interessantes e curiosidades que eu gostei de saber, complementou bastante o meu estudo do Período Joanino e que com certeza fizeram com que eu compreendesse melhor os acontecimentos e além dos acontecimentos, o estilo de vida que a população tinha naquela época. 
Acredito que o livro irá agradar tanto quem gosta de história quanto quem não gosta muito. Laurentino Gomes soube tratar desse assunto de uma maneira que fugiu do chato e chegou ao interessante.
Eu tive algumas ressalvas com o livro, principalmente no final. Eu li até a página 260 rapidamente e depois começou a ficar cansativo e enrolado. Acho que se o autor tivesse resumido um pouco as informações do final do livro, eu teria gostado bem mais. Contudo, analisando o livro como um todo, foi uma leitura extremamente válida e eu recomendo.

9 de agosto de 2013

Da Livraria para a minha estante #48


Livros novos e da volta do "Da Livraria para a minha estante" em vídeo!



Espero que tenham gostado do vídeo. Resenhas em breve.

Gabi

6 de agosto de 2013

Resenha: Pollyanna - Eleanor H. Porter

(Não achei uma imagem em boa resolução da capa que eu tenho, então coloquei essa outra versão da Martin Claret)

Pollyanna é um clássico infantil escrito em 1912, primeiramente publicado diariamente em um jornal e em 1913 foi publicado como um livro. A história é sobre Pollyanna, uma menina de onze anos que após a morte de seus pais, é enviada para morar com sua tia Polly.
Polly recebe a criança por ser sua obrigação, como parente mais próxima, mas ela é uma pessoa mal humorada e nada do que Pollyanna esperava. A menina aprendeu com o pai o “Jogo do Contente” e acaba espalhando pela cidade inteira e mudando a vida das pessoas do vilarejo.
 Eu ganhei esse livro de presente da Ni do Ninhada Literária, uma vez ela comentou comigo sobre o Jogo do Contente, e na hora eu achei interessante, mas só depois de ler o livro, eu percebi que é um livro que eu deveria ter lido quando criança. Para crescer com a ideia do jogo na cabeça.
A narrativa da autora é rápida, os capítulos são curtos e os personagens são carismáticos e conquistam o leitor. 
“Bem, o jogo era encontrar um motivo para ficar contente com todas as coisas, não importa o que fossem”.
Por ser um clássicos infantil, não existe dificuldades na leitura que um clássico normalmente possui. Contudo a história tem profundidade e lições de vida. Como eu disse, o jogo do contente e a personalidade de Pollyanna já é uma lição de vida por si própria.
O final me deixou com lágrimas nos olhos e um aperto no coração. Existe uma continuação para Pollyanna e eu quero muito ler assim que possível. Eu recomendo muito a leitura, para qualquer pessoa, de qualquer idade. Foi um livro que me fez pensar muito na vida e na maneira como podemos ver a vida com olhos melhores.

2 de agosto de 2013

Leituras de Julho (2013)


.

Resenhas:
O Palácio de Inverno - John Boyne
As Virgens Suicidas - Jeffrey Eugenides
Bliss - Lauren Myracle
Pollyanna - Eleanor H. Porter (em breve)
1808 - Laurentino Gomes (em breve)