17 de agosto de 2013

Resenha: "The Bell Jar" - Sylvia Plath

The Bell Jar (Redoma de Vidro) conta a história de Esther Greenwood, uma menina estudiosa, que ganhou vários prêmios  e acabou sendo convidada para trabalhar em uma revista em Nova Iorque por um verão. Lá, ela é inserida no mundo do glamour, festas e de repente acaba percebendo, que tem algo de errado.
A narrativa da Sylvia Plath é poética, é delicada e maravilhosa. Esther percebe de repente, que tem algo de errado com ela. Vários fatores começam a aparecer, ela não consegue mais comer, escrever, ler, dormir e acaba tentando suicídio.
O leitor é imerso nos pensamentos de Esther e chega um momento, onde o que ela pensa chega a parecer racional. A autora narra tão delicadamente sobre a depressão da personagem, que o leitor só vai perceber na metade do livro como a situação é séria.
Esther é uma personagem psicologicamente interessante. Ela é inteligente, talentosa e com um grande sucesso pela frente, e ainda assim, o mundo dela acaba desabando. A maneira intrínseca como a autora reflete tudo isso, é o que torna “The Bell Jar” um livro magnifico.
O livro não é difícil de ser lido, mas é uma leitura densa e pesada. Não é daquelas narrativas que você senta e lê em algumas horas, é um livro que é preciso ser explorado e analisado. Nada é narrado de forma óbvia. A depressão de Esther é algo que lentamente, é percebível e lentamente, o leitor e até mesmo Esther, começam a perceber que ela não esta bem. 
A história por trás do livro também é interessante: o verão tratado no livro, em que Esther vai parar no hospital, aconteceu com Sylvia Plath. O livro só pode ser publicado nos Estados Unidos após a morte da autora em 1963. Para mim, isso faz do livro ainda mais especial, por se tratar de sentimentos reais.
Eu recomendo muito “The Bell Jar”. É um livro em que a narrativa se sobressai e fala sobre depressão de uma forma diferente. Uma forma poética.

7 comentários:

  1. Não conhecia essa autora, mas pela resenha parece ser uma história muito boa e uma narrativa bem peculiar. Me interessei.. =)

    ResponderExcluir
  2. Eu tenho bastante vontade de ler esse livro, mas queria uma edição em português...sei que está esgotado, mas quem sabe em um sebo? hahahaha...(na vdd, nem procurei no Estante Virtual, vou ver agora XD).

    O que torna especial, além da publicação posterior, acho que foi pq Sylvia colocou os sentimentos no livro, refletidos em Esther. É um livro que parece triste, mas totalmente MUST READ. Obrigada pela resenha! ;)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Meu avô tem uma edição desse livro em português, e desde o dia que eu botei o olho nele que eu tenho vontade de ler. Eu adoro leituras densas e profundas de vez em quando para sair dessa onda de YA. Espero ter a oportunidade de ler o livro logo.

    Beijos!
    Fernando Reads

    ResponderExcluir
  4. Não curto muito livros assim, que me fazem pensar demais
    Ficou muito boa a resenha :)

    ResponderExcluir
  5. Oi Gabi
    Então a edição em inglês não é tão difícil, tinha receio com isso, tenho muita vontade de ler essa autora pela história dela e pelo o que já ouvi do livro, pela sua impressão também, parece maravilhoso.

    ResponderExcluir
  6. Parece ser um livro muito interessante, já tinha ouvido falar sobre, mas não sabia do que se tratava
    Beijo,
    Nic

    ResponderExcluir
  7. Nossa, parece ser MUITO awesome esse livro! A gente acaba sentindo falta de ler algo denso, e o fato de que a autora escreveu tudo isso tendo sentido e vivido certa parte do que acontece com sua personagem torna TUDO mais verídico e, consequentemente, mais empolgante!

    ResponderExcluir