21 de outubro de 2013

Estive pensando: Leituras Obrigatórias

Todo colégio tem suas leituras obrigatórias. Acredito que o objetivo das leituras seja fazer os estudantes lerem. Contudo, a quantidade de pessoas que realmente lê os livros propostos não é muito grande. Resolvi comentar um pouco no post de hoje o meu ponto de vista sobre as leituras obrigatórias e um pouquinho da minha experiência com elas.
Algo que eu percebi esse ano é que no momento que você troca as palavras “leitura obrigatória” por “livro que pode ser realmente muito legal” você passa a ver o livro de forma diferente. Acaba sendo apenas mais um livro na sua estante com um grande potencial de agradar.

Um dos ‘erros’ que eu vejo agora quando olho para trás e analiso a minha experiência, foi a escolha de alguns livros. Sim, é importante ler literatura brasileira, mas deve ser lido no tempo certo. Primeiro, acredito que o costume pela leitura deve ser cultivado. Lembro que quando o livro “Mau Começo” do foi solicitado na escola, gente que nunca lia acabou lendo. Por quê? Para uma pessoa de 10, 11 anos a história chama a atenção.
Com o tempo, os livros solicitados devem ir ficando mais densos e a literatura brasileira clássica deve ser incorporada. Outro ponto, que eu sentia falta nas aulas, era apoio para ler alguns livros mais complicados. Uma base de enredo, uma base do que estava acontecendo na época que o livro foi escrito e tudo mais.
Também acho que é preciso dar uma chance. As leituras recomendadas são ótimas portas de escape dos livros que normalmente leio. Fizeram com que eu conhecesse autores incríveis, histórias maravilhosas e ler livros diferentes do que aqueles que todos estão lendo (faz bem, acreditem em mim).
Esses livros exigem um pouco mais durante a leitura, mas acabam sendo ótimas experiências. É claro, que vai acontecer de você não gostar de algum livro. Mas é normal. Ninguém gosta de todos os livros que lê. Entretanto, é preciso dar uma chance. Eu já fui surpreendida diversas vezes.
Só porque um livro é importante para a literatura brasileira não quer dizer que é preciso que você goste. Tenho uma péssima experiência com “Esaú e Jacó” do Machado de Assis e com “O Guarani” do José de Alencar. Mas ao mesmo tempo, fui surpreendida por Manuel Antônio de Almeida, Jorge Amado, Moacir Scliar, Lya Luft, Murilo Rubião, Nelson Rodrigues e vários outros autores que eu li por meio de leituras obrigatórias.
Qual é a experiência de vocês com leituras obrigatórias?
Gabi

7 comentários:

  1. Oi Gabi!

    Acho que quando a leitura é obrigatória ela se torna difícil, mas a pessoa tem que mudar isso.
    Quando eu estava na escola era um sacrifício ler, a pior experiência que eu tive foi com Iracema e até hj ainda não consegui concluir.

    Hoje eu penso diferente, tanto que as leituras do vestibular eu li todas, na verdade estou lendo o ultimo livro agora, e alguns eu até favoritei um deles foi O centauro no jardim e As parceiras e gostei muito de Murilo Rubião e adorei História do Cerco de Lisboa.
    Eu tentei ler esses livros com outra cabeça e deu certo.

    ResponderExcluir
  2. Eu gostei de algo que você citou: apoio durante as leituras mais "complicadas". O aluno sim deveria ter junto uma aula de história, de política, o que estava acontecendo naquela época em que determinado livro foi escrito. Se você não faz ideia do que acontecia naquela época, como você vai entender o cenário que te é apresentado no livro? Talvez, se o leitor já conhecesse um pouco que seja daquilo que lhe será colocado na leitura, o enredo todo lhe agrade mais.

    ResponderExcluir
  3. Falou tudo, né Gabi? E acho o maior erro do mundo querer colocar livros complexos no colégio para o pessoal que ainda não tem gosto pela leitura. Mas também acho um erro não colocá-los jamais. Por exemplo, quando eu li "Revolução dos Bichos", odiei, porque eu estava em uma época em que eu só lia Meg Cabot, basicamente. Aí entrou um professor de literatura (Tiago) que começou a nos mostrar que o que nós líamos era legal, mas existia algo diferente em relação aos clássicos... E ele nos ensinou a ler clássicos, a entender clássicos e, por fim, a gostar de clássicos. Agora leitura obrigatória para mim é sinônimo de novas experiências, em um sentido EXTREMAMENTE positivo! IDOLATRO MEU PROFESSOR DE LITERATURA \o/

    ResponderExcluir
  4. comecei a gostar de ler muito tarde, acho que fiquei meio traumatizada com as leituras obrigatórias do colégio!
    Além de falaram de coisas que não me interessavam, normalmente tinham uma linguagem que eu não compreendia... ai fica complicado de gostar né?!
    Um bom que eu me lembro ter lido foi A Droga da Obediência ... é um livro completamente diferente de Manuel Antônio de Almeida, Jorge Amado e Nelson Rodrigues.
    O que vocÊ falou sobre escolher também conta muito, no meu colégio tinha um projeto que você tinha que escolher um livro (entre vários disponíveis), ler em um determinado prazo e depois fazer um resumo... mas como eu não tinha o costume de ler eu não sabia o que escolher já que eu nem sabia do que eu gostava, ai a probabilidade de pegar um livro ruim era enorme


    http://michiamorenata.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. CLAP, CLAP, CLAP...Excelente reflexão, Gabi!

    Eu sinto que dei "sorte". Além de ser estimulada por gibis na minha infância, eu lembro exatamente como começou meu gosto pela leitura...na 3ª série a professora de português começou a fazer atividades de teatro com a turma com os livros do Pequeno Vampiro, da Angela Sommer-Bodenburg. Como são muitos volumes, ela dividia em grupos que estavam lendo o mesmo e pedia para ser encenado uma parte do livro....A partir daí, começaram os livros da série Vagalume e comecei a ser inserida nos títulos brasileiros, como O Mistério do Cinco Estrelas, do Marcos Rey.

    Acho que existe sim uma escadinha de dificuldades, que tem que ser galgada pouco a pouco! :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Mau começo é ótimo para ler com 10 anos <3 Na verdade, eu até li com 9, e fui terminar a série inteira muito tempo depois, já que ela ainda estava sendo lançada. Foi uma experiência maravilhosa de leitura obrigatória.
    Outro que eu adorei, foi A outra face e A viagem de Parvana, Revolução do Bichos (e outros que não lembro o nome e li no Ensino Fundamental).
    Quando se vai pro médio é que a leitura fica realmente maravilhosa! Lucíola é incrível e também adoro Inocência, Felicidade Clandestina e A moreninha.
    Adorei o post :)
    Beijo,
    Nic

    ResponderExcluir
  7. Acho que conhecemos e quebramos muito o preconceito de conhecer uma obra. aconteceu comigo em relação as peças teatrais rodrigueanas. Mas o que coopera também para esse "preconceito" são as capas que muitas vezes não chamam tanto atenção, depois vem a data. Você pega um livro de 100 anos atrás e acha que nunca irá conseguir decifrar, mas o fato é que você pode acabar gostando.

    Leitura obrigatórias são obrigatórias!

    Um beijo, www.setecoisas.com (comentário mais civilizado, não muito despirocado né?)

    ResponderExcluir