9 de fevereiro de 2014

Resenha: A Mulher do Viajante no Tempo - Audrey Niffenegger

“A Mulher do Viajante no Tempo” conta a história de Henry DeTemble e Clare Abshire. Ele trabalha em uma livraria em Chicago e involuntariamente viaja no tempo, ela é uma artista e desde o primeiro momento que conhece Henry sua vida acaba sendo diferente da vida de todos os outros.
Durante a narrativa maravilhosa de Audrey Niffenegger, o leitor vai acompanhando a vida dos dois em diversos momentos. O livro é narrado tanto por Henry quanto por Clare, o que permite o leitor a ter uma visão dos dois lados da história. É um livro bem diferente, principalmente pela ambientação, pela ideia de tempo e espaço e pela ideia de presente, passado e futuro que ‘acontecem’ simultaneamente.
É necessário um pouco de tempo para se acostumar com isso, mas logo vai ser apenas um fato do livro, nem um pouco confuso e extremamente intrigante. Eu gosto muito da temática de viagens no tempo e nesse livro, isso for abordado de uma forma incrível e envolvente.
A narrativa da autora não é linear, ela dá alguns saltos de ida e volta no tempo, mas todas as pontas soltas acabam sendo explicadas eventualmente. Diferente da maioria das narrativas, não existe um grande conflito a ser resolvido e nenhuma reviravolta, é apenas a história de duas pessoas ao longo dos anos. Contudo, o fator ‘viagem no tempo’ torna extremamente fácil o leitor ficar interessado no futuro dos personagens.
Os personagens são todos muito bem caracterizados e desenvolvidos durante a história. Não são perfeitos, todos eles possuem falhas, defeitos e são acabam sendo personagens muito humanos e honestos.
Meu coração foi quebrado em pequenos pedaços no final e isso só prova o quanto a história se tornou importante para mim. Eu amei a narrativa da autora, o romance,  a abordagem das viagens no tempo e simplesmente amei o livro.

Recomendo muito.

6 comentários:

  1. Eu vi o filme e achei um porre tão grande que acabei perdendo o interesse no livro. Mas gostei da ideia de ter passado-presente-futuro ao mesmo tempo na narrativa!

    ResponderExcluir
  2. Morro de vontade de ler esse livro, parece ser incrível. Só o fato de tratar sobre viagem no tempo já me faz gostar dele. Adorei a resenha!

    Beijo,
    Naty - Just Books.

    ResponderExcluir
  3. Oi Gabi!

    Essas narrativas não lineares costuma não ser minhas favoritas...mas se a coisa for bem escrita, como por exemplo, O Circo da Noite, que acontece isso também, dá pra relevar! Já tinha escutado que a Audrey cria ótimos personagens...eu tenho a versão da Suma, só não sei quando vou conseguir lê-lo XD

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Muita gente ama esse livro, mas pra mim não desceu, achei confuso, arrastado e simplesmente um saco. Também não gostei do filme, assisti até a metade e achei bem sem graça...

    ResponderExcluir
  5. O título chama bastante atenção. Viajar no tempo sempre é algo bem, digamos, desejado por todo mundo - poder ver o futuro ou simplesmente organizar o passado. Gabi, eu cansei desses personagens fofinhos ou que simplesmente são perfeitos, e, cada vez aparece mais personagens com falhas e erros, isso acaba aproximando o leitor dos próprios personagens, porque encontramos algo parecido conosco, não sei...

    O livro não foi lançado aqui né?

    Obs: aprendendo ler em inglês a partir do último post (o do vídeo).

    Beijão e me perdoe ter sumido!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Gabi!

    Eu tenho quase certeza de que já vi o filme (se for o que começa com uma menininha num campo e tal) e simplesmente amei, mas devido ao final fiquei pensando que eu "morreria" se tivesse que passar por isso de novo de uma maneira mais intensa ainda, como quando a gente lê.
    Mesmo assim tu me deixou com muita vontade de lê-lo pela verdade que há nas falhas e erros dos personagens, principalmente. Por mais que eu prefira narrativas lineares, darei uma chance ao livro pela curiosidade de ver a maneira com que a autora tratou as viagens no tempo.
    Queria ter o livro aqui agora pra começar a devorá-lo! hahahah

    Beijocas,
    Samy.

    ResponderExcluir