17 de março de 2014

Resenha: A Invenção das Asas - Sue Monk Kidd

“A Invenção das Asas” segue a história de duas meninas ao longo de suas vidas. Sarah Grimké é uma menina branca, de uma família tradicional, que sonha ser advogada e passa suas tardes lendo na biblioteca do pai. Encrenca é uma menina negra, escrava, que trabalha para a família Grimké e é o presente de Sarah no seu aniversário de onze anos.
Ao receber Encrenca como presente de aniversário, Sarah se rebela e se recusa a aceitar, apenas para ser repreendida pela mãe e ter seus ideais silenciados. O desejo de Encrenca de ser livre e o de Sarah de ser advogada e proporcionar essa liberdade vão uni-las durante muitos anos.
Ao ler a sinopse do livro, eu me interessei rapidamente em realizar a leitura. Um dos meus livros favoritos tem o racismo como tema principal (To Kill a Mockingbird – Harper Lee) e “A Invenção das Asas” tinha todas as características para me agradar.
Eu gostei bastante da leitura, até eu me aproximar do final. Achei as últimas cem páginas muito lentas e cansativas, a autora poderia ter feito algo que deixasse o leitor mais envolvido naquela parte, querendo ler cada vez mais e não deixar o livro de lado. Felizmente, isso acontece apenas na parte final, o início é maravilhoso, envolvente e cheio de mensagens importantes.
A luta de Sarah pela liberdade dos escravos e mais para frente pelos direitos iguais entre os sexos é bastante inspiradora. Nas notas da autora, ela explica que Sarah Grimké realmente existiu e lutou por isso na sua época, Sue Monk Kidd estudou bastante sua vida para poder escrever o livro, que não é uma biografia e sim um romance baseado em alguns fatos reais.

A interação entre Sarah e Encrenca é bem desenvolvida uma aprendeu muito com a outra no decorrer da narrativa. A narrativa da autora é intercalada com um capitulo sendo narrado pela Sarah e outro pela Encrenca, isso proporciona o leitor ver a história pelos dois lados. Sue Monk Kidd tem uma escrita boa de ler, lenta demais em algumas partes, mas na maioria é muito agradável
“Permanecer em silêncio frente ao mal é, em si, uma das formas do mal”
É um livro muito bonito, cheio de ideais e personagens com vontade de mudar a situação da época. A autora fez um panorama muito bom sobre o dia-a-dia, os costumes, as formas de pensar da época e como as pessoas reagiam a ideia de mudança.

Apesar do final, eu gostei muito das primeiras duzentas páginas lidas e acredito que vale a pena dar uma chance para a história. É um tema muito importante e infelizmente, ainda visível na sociedade de hoje.

5 comentários:

  1. Oi Gabi*

    Eu comprei o ebook deste livro, iniciei a leitura, mas acho que não era o momento e acebei deixando para ler em um outro momento.
    Gostei muito da sua resenha, a história parece ser muito boa.
    Essa capa é linda , né.

    Beijos*

    ResponderExcluir
  2. Gostei da sinopse e da resenha. Mas, não estou em clima para temas densos :C Mas, coloquei na minha lista.

    ResponderExcluir
  3. Gosto desses romances baseados em fatos reais, apesar de preferir quando a história real é narrada em forma de biografia ou pelo próprio, como é o caso de 12 anos de escravidão. (que aliás, é lindo, mas não me sinto apta para escrever sobre >.<)

    Uma pena que a autora perde o fôlego nessas partes finais, mas ainda bem que isso não foi o suficiente para comprometer a leitura no final.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. a sinopse é bastante atrativa, me interessei pela historia, gosto deste gênero que nos mostra que temos que lutar dia apos dia contra todos os tipos de preconceitos e descriminalizações que ainda existem nos dias de hoje.
    ps: não consigo mais parar de ler " O mundo de Sofia" sempre que sobra um tempinho eu leio um pouco.

    beijos

    ResponderExcluir
  5. A primeira vez que eu vi esse livro foi num anúncio do Skoob e fiquei perdidamente apaixonado pela sinopse - mas, ao decorrer do tempo e das análises que venho fazendo das resenhas das pessoas sobre o livro, parece não ser tão, tão bom assim como foi tão ventilado ser. Eu sou perdidamente apaixonado por esse tipo de temática (sou louco pra ler "O Sol é para Todos" - e por indicação sua!) e aquele livro sobre aquela moça que é empregada... Que eu esqueci o nome agora. :/ Entendo bem o que quer dizer sobre o ritmo lentar no final, e isso é um saco quando acontece - principalmente se o livro está ótimo no começo, e mais principalmente ainda quando a sinopse proposta é tão maravilhosa!
    Mas enfim... Não sei se ainda darei uma chance ao livro. Quem sabe no futuro. ^^
    Beijão!


    Achou o Quê?:
    http://achouoque.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir