8 de junho de 2014

Resenha: The Fault in Our Stars - John Green (releitura)

A minha resenha original de TFIOS foi publicada no dia 8 de maio de 2012. Eu estava com vontade de escrever uma resenha atualizada e é exatamente isso que eu vou fazer hoje.
Hazel Grace Lancaster foi diagnosticada com câncer aos treze anos. Originalmente era câncer na tireoide, contudo esse se espalhou para os seus pulmões, tornando a simples tarefa de respirar extremamente difícil. Um milagre da medicina permite que Hazel chegue até os dezesseis anos, quando seus pais e médicos acham que ela está deprimida.
Eles então a mandam para o grupo de apoio que se encontra no porão de uma igreja e é onde Hazel conhece Augustus Waters. Existe um interesse reciproco entre eles e isso faz com que a vida de Hazel passe a ser mais do que assistir America’s Next Top Model, ler e assistir algumas aulas na faculdade.
Esse foi um dos primeiros livros que teve um impacto diferente em mim e mesmo dois anos depois, eu não criei resistência nenhuma à história. Continua triste, continua doendo e continua me fazendo chorar como nunca. Hazel e Gus são personagens que se tornam reais durante o decorrer do livro.
John Green escreveu um livro sobre adolescentes com câncer sem que seja um livro de câncer. O câncer existe, mas não é o personagem principal. O autor mostra que adolescentes com câncer também são adolescentes; eles se apaixonam, têm raiva da vida, são sarcásticos, divertidos, ficam tristes e só querem mais tempo no mundo.
Existe também uma relação muito bonita entre Hazel e seus pais, principalmente em como ela se preocupa com o que vai acontecer com eles depois da sua morte e como eles cuidam dela e apoiam ela sempre.
É um livro muito bem escrito. É um livro que tem um desenvolvimento dos personagens muito bem feito e é feito de uma maneira natural e honesta. É um livro honesto e acredito que é por isso que dói tanto. A realidade é dolorida e cada vez isso se torna mais claro para mim. 
John Green proporciona o leitor diversas emoções no decorrer das páginas. Tem um humor sarcástico que faz o livro ser o que é. Como eu disse lá em 2012 e agora posso dizer que eu estava correta: Não é um livro que é lido e depois guardado na estante e esquecido. As frases e a história ficarão guardadas comigo. Eu tenho certeza que ficarão comigo por um bom tempo. Não quero e não vou conseguir esquecer.
É um livro importante para mim. Aqueles livros que eu considero ‘meus’. Ele ainda faz com que eu sinta tudo o que eu senti quando o li pela primeira vez, é uma história que mexeu muito comigo e que eu fico muito grata que resolvi comprar ele no kindle em uma tarde só para ‘ver sobre o que era’.

Um comentário:

  1. Eu também fiz uma releitura desse livro e infelizmente não proporcionou tudo aquilo que me proporcionou na primeira leitura. Não sei o que exatamente foi. A estória continua sendo linda pra mim e todos os aspectos que você citou sobre a narrativa eu ainda vejo como qualidades da obra, mas não me emocionou como antes. Acho que foi apenas isso que mudou com a minha releitura. Mas enfim, gostou do filme?! Eu confesso que alguns detalhes me incomodaram, mas achei uma boa adaptação ><

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com/

    ResponderExcluir