29 de junho de 2014

Resenha: O Príncipe da Névoa - Carlos Ruiz Zafón

Os comentários positivos que eu li sobre a obra do Zafón e todas as recomendações que eu recebi nos últimos meses acabaram colocando “ler Zafón” como uma meta para 2014.  “O Príncipe da Névoa” é o primeiro livro publicado pelo autor em 1993 e acredito que a partir dessa leitura já se pode ter uma noção do motivo de tantos elogios.
Em 1943, Max e sua família se mudam para uma pequena cidade litorânea com o objetivo de fugir da guerra que se aproxima. Assim que chega à estação, Max já percebe algo estranho com a cidade ao ver que o relógio gira ao contrário. A casa nova da família também tem uma atmosfera e um histórico que acaba fazendo com que Max descubra algumas informações sobre a família que construiu a casa e o que aconteceu com eles.
O livro então segue Max, sua irmã Alicia e seu novo amigo Roland nas suas tentativas de desvendar mistérios e buscar respostas.
Acho que esse é um dos livros que quanto menos o leitor souber quando iniciar a leitura, melhor. O mistério central é bem construído e torna “O Príncipe da Névoa” uma leitura extremamente envolvente.
A narrativa de Zafón tem um clima sombrio e instigante, deixando o leitor sempre a espera do que vai acontecer em seguida. O autor escreve no prólogo que é um livro infanto-juvenil, que ele gostaria de ter lido com 13, 14 anos, mas que também pudesse agradar leitores de todas as idades. Acredito que é um livro que agrada tanto leitores mais novos como mais velhos justamente por ter uma linguagem simples, personagens mais novos e ainda assim lidar com questões mais sérias como o poder de uma escolha, de uma promessa e de acordos.
Eu senti o início do livro um pouco lento e precisei recomeçar algumas vezes até realmente me envolver com a história, mas logo isso deixou de ser um problema e eu não consegui soltar o livro até terminá-lo. Outro ponto que eu criticaria é que algumas cenas eu senti que podiam ter sido mais desenvolvidas.

Os elogios existem porque o Zafón consegue criar uma atmosfera bem única e uma narrativa maravilhosa. Foi um ótimo livro para conhecer o trabalho dele e fazer com que eu siga lendo sua obra. 

5 comentários:

  1. Nossa, eu não fazia ideia de que o Zafón escreve juvenil! Fiquei com saudade de "A Sombra do Vento". Leia esse, Gabi, é sensacional <3

    ResponderExcluir
  2. Nunca li nada do Záfon, mas eu amo livros com mistério e cheio de enigmas! ♥ Com certeza, me interessei por ele!
    Ótima resenha!

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Eu já li Marina do Záfon e gostei muito do livro. Também contém essa clima mais enigmático e sombrio que adorei. Estou com A Sombra do Vento para ler e espero gostar! Adorei a resenha ;)

    Beijo,
    Naty.

    ResponderExcluir
  4. Não sabia que o Záfon escreve pro público jovem! Na verdade, eu nunca li nada dele, é um daqueles autores da lista infinita de "um dia eu leio".
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Eu adorei a Trilogia do Cemitério dos Livros Esquecidos. E essa trilogia da névoa parece ser bem legal também! ; )

    ResponderExcluir