7 de julho de 2014

Resenha: Extraordinário - R. J. Palacio

August Pullman tem uma síndrome genética que faz com que ele tenha uma aparência diferente, uma deformidade facial. Aos 10 anos, seus pais decidem que é um bom momento para August começar a frequentar uma escola e deixar os estudos em casa de lado.
Ele tem completa noção que as pessoas se sentem desconfortáveis com a sua aparência, que elas ou ficam encarando ou desviam rapidamente o olhar. “Extraordinário” vai então acompanhar August, sua família e seus novos colegas nesse primeiro ano de escola.
"O legal de crianças pequenas é que elas não dizem coisas para tentar magoar você e, mesmo que às vezes façam isso, não sabem o que estão falando. Quando elas crescem, por outro lado... sabem muito bem o que estão dizendo." 
A narrativa é alternada entre diversos pontos de vista, o que permite o leitor uma visão completa e geral do que está acontecendo no universo do livro. Um desses pontos de vista que eu gostei bastante foi o ponto de vista da irmã mais velha de August e como ela tem um instinto protetor, uma maturidade inesperada para a sua idade e como no fundo, ela é uma adolescente normal e tem seus próprios problemas também.
A visão dos amigos de August também é bem explorada, como cada um foi se aproximando dele por motivos diferentes e acabam descobrindo que Auggie é uma criança legal e muito divertida.
O livro vai tratar bastante sobre bullying. Sobre como várias crianças julgam August por sua aparência e não tentam nem conhecê-lo melhor. Como algumas crianças o machucam de propósito e ainda acham graça da situação. Acredito que é um livro infanto-juvenil que explora essa temática muito bem e levanta questionamentos bem interessantes para o leitor.
Como, por exemplo, a inserção de pessoas diferentes na sociedade e como elas devem ser tratadas. Até onde o principio da equidade pode ser adaptado e quando a linha de superproteger alguém e impedir que essa pessoa tenha experiências de verdade é ultrapassada.
Como Olivia, a irmã mais velha de August, comenta após ele retornar triste da escola e dizendo que iria desistir, a escola não é fácil para ninguém. A linha entre analisar se August podia desistir devido a sua aparência diferente e utilizar isso como justificativa que ele não teria como se adaptar e ver que é um processo complicado e é preciso dar tempo ao tempo é tênue e eu gostei como isso foi abordado no livro.
"Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida, porque todos nós vencemos o mundo”.
R. J. Palacio tem uma narrativa simples e muito agradável de ler. Eu demorei um pouco para engrenar na história, mas é um livro que tem um ritmo muito bom e os capítulos curtos o torna uma leitura rápida. A mensagem de “Extraordinário” é muito boa e não é dada ao leitor de uma forma forçada. Recomendo bastante a leitura.

6 comentários:

  1. Ahhh..
    Comprei este livro e estou muito animada para começar a lê-lo; mas ainda tenho alguns na espera, rs..

    Super beijos, Lu
    http://luizando.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Li esse livro no começo do ano e amei.. A mensagem q a autora passa e linda..
    http://foreverabookaholic.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Gabi,
    Li Extraordinário ano passado e fiquei encantada! Gostei bastante da forma como a autora abordou o assunto e a mixagem de narrativas me deixou ainda mais encantada! Poder ver os diferentes tipos de ponto de vista foi interessante, mas ainda mais, a mensagem que é passada no livro foi a que mais me surpreendeu.
    Acredito que de forma sucinta, a autora soube deixar seu recado sobre a visão da sociedade para com as pessoas e terminei o livro sentindo um carinho especial pelo Auggie e a criança que ele era.
    Beijos,
    Ká Andrade
    http://teens-books.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Gabi, tudo bem?
    Este é um livro que eu quero muito ler e já coloquei tantas vezes na listinha de próximas compras... No entanto, até agora não me dei a oportunidade de lê-lo. Algo que provavelmente irá mudar após essa resenha. Eu achei tão interessante o enredo do livro e os assuntos abordados, além de ter ficado encantada com as duas citações.
    Acredito que a narrativa sob vários pontos de vistas seja algo arriscado, pois é possível que, se feito da maneira errada, o leitor se perca, mas todos os meus receios foram embora depois de ler as tuas impressões. Obrigada por mais uma boa indicação, Gabi! <3

    Beijocas,
    Samy.

    ResponderExcluir
  5. É um dos meus livros favoritos, simplesmente me tocou, e é um livro que com certeza quero ler para os meus filhos, netos, bisnetos, e por aí vai, haha!

    Poréns & ETCs

    ResponderExcluir
  6. O livro me surpreendeu. Pensei que seria uma leitura melancólica e triste, mas não foi assim, não tanto. O que você fala sobre os limites de superproteção em August e as dificuldades de inserir alguém diferente numa sociedade preconceituosa são pontos fortes do livro que também me chamaram atenção. Achei muito bem escrito.

    Beijos ><

    ResponderExcluir